Sign In

Chesf visita usinas de cana-de-açúcar

Sistema Chesf Publicado em 11/10/2021

De 8 de setembro a 7 de outubro, técnicos da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) estiveram, junto com órgãos ambientais de Alagoas e Pernambuco, em várias usinas dos respectivos estados, com o objetivo de monitorar e sensibilizar os profissionais envolvidos no processo de extração de cana-de-açúcar (safra 2021/2022) quanto à legislação vigente, bem como sobre os impactos e danos causados pelas queimadas em áreas de canaviais sob as redes elétricas.


Durante as ações, uma usina alagoana foi multada em R$ 35 mil, pelo Instituto de Meio Ambiente (IMA/AL), por descumprir as orientações e o acordo firmado no termo de compromisso assinado nas visitas técnicas que assegurava a retirada manual ou mecanizada da cana-de-açúcar sob as linhas de transmissão, de forma crua, sem acarretar instabilidade ou mesmo o desligamento da linha de transmissão.


MicrosoftTeams-image (70).png


Nesta ação de combate a queimadas, foram visitadas um total de 12 usinas, no estado de Alagoas e 15, em Pernambuco. "É preciso reforçar o entendimento de que não se pode haver queima embaixo das redes elétricas, pois isso coloca em risco vidas e o abastecimento de energia da população", salienta o engenheiro Narion Ranieri.


O uso do fogo é crime, previsto em lei, quando feito em área próxima à linha de transmissão e subestações, pois tal atividade pode implicar no desligamento do sistema de transmissão e distribuição de energia elétrica para a sociedade. E, em casos como de incêndio criminoso nos canaviais, é necessário que a usina responsável entre em contato imediatamente com o órgão ambiental. A queima controlada, fora da faixa de servidão, é autorizada em alguns casos mediante autorização prévia do órgão ambiental.


Juntamente com os órgãos ambientais dos estados, a Chesf continua monitorando todas as áreas, sobretudo as consideradas mais críticas que estão próximas às redes e subestações. Além disso, anualmente, a Empresa tem promovido ações de conscientização com os usineiros e a população das áreas próximas a linhas e subestações, a exemplo das campanhas veiculadas em rádio.


Fotos: Narion Ranieri