Sign In

Professores voluntários atuam na Sede

Sustentabilidade Publicado em 07/02/2017

Há dois anos, o Comitê da Cidadania dos Chesfianos do Recife (CCCR) oportuniza aos chesfianos(as) se tornarem professores voluntários do Programa Educação Solidária, ação que oferece aulas de disciplinas preparatórias para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), e palestras sobre Atualidades e Cidadania, para jovens de comunidades do entorno da Sede da Chesf, no Recife (PE).

Agora, o Comitê se disponibiliza para orientar e apoiar no planejamento de iniciativas semelhantes que possam ser desenvolvidas nas Regionais. “Após a divulgação da Campanha, recebemos muitos contatos interessados em participar ou realizar a ação em outros locais além da Sede”, declara Gustavo Aguiar, presidente do CCCR.

O Programa já atendeu a cerca de 160 estudantes que desejam conquistar uma vaga no ensino superior. “Estamos iniciando o terceiro ano, com expectativa de participação de 80 jovens, só nesta edição. O Programa tem se mostrado essencial porque, além de melhorar os conhecimentos desses jovens, oferecendo reforço nas disciplinas, permite o contato com conceitos de cidadania para suas formações pessoais”, ressalta Gustavo Aguiar, presidente do CCCR.

A maior dificuldade do Educação Solidária é encontrar voluntários para ministrar as aulas de Língua Portuguesa, Física, Química e Inglês. “O sucesso do projeto depende muito do conhecimento e da disponibilidade desses professores. Sou professora do curso e sinto-me gratificada diante da troca de experiências e aprendizados que o Programa permite”, explica Fernanda Lins que leciona Gramática e também é membro do Comitê.

O Comitê e sua inspiração

O Comitê da Cidadania dos Chesfianos do Recife foi criado em junho de 1993, como uma Sociedade Civil sem fins lucrativos, e foi inspirado na Ação da Cidadania Contra a Fome, a Miséria e pela Vida, proposta pelo Sociólogo Herbert de Souza, o Betinho.

As ações foram ampliadas e, atualmente, conta com 113 chesfianos associados. Hoje atua em atividades de melhoria da qualidade de vida de comunidades carentes, bem como a garantia do exercício da cidadania por estas populações.